Arquivo da tag: arte

segredo

Processed with VSCO with a5 preset

Não quero a cara limpa
descarada
quero os segredos,
os desaparecidos,
rumores de um amor
esquecido
Quero os disfarces
dos encontros proibidos
e a dor da desesperança
de acordar sozinho
Quero o opaco na
minha visão
Pra ter a sorte
de na mansidão
te encontrar no escuro
dos lençóis brancos
demarcados ponto a ponto
desenhados do desejo
que te dediquei.
Quero uma vez mais
o abraço mais quente
e a tua boca ardente
a gritar…
A gritar por mim.
Sei que o amor
vai e vem
quero que o vem
te traga inteira
até a canseira
do meu orgasmo pleno
quero que o vai
te leve longe
e que o meu descanso
renove meu desejo
de te ter covarde,
saliente e indecente
repetindo sempre:
o meu amor não é teu
é meu
e ainda assim
te dou uma fagulha dele
para que acenda em ti
uma luz que te faça
repetir.
E eu repito
incessantemente
esse amor
que me acende.

rubro

agisjunior 31

Auto retrato

Sou rubro
Sou o vermelho
do coração pingado
puro sangue derramado
entre gritos e papéis
trago o rubro medo
que me invadiu
que amassou minhas indigestas
tentativas de acordar
achando que eu era novo…
mais lucido
mais claro
mais transparente
O vento sopra para lá
arrasta a fraca luz
dos meus olhos
Fecho-os mareados
pelo alegre esquecimento
de minhas dores
Me acordo triste,
apalpo as dores
amacio o meu sofrer
sem ver que até
a dor que contei um dia
ficou rubra
encarnada
entupida
pelo vermelho
sequestrado de mim
naquele dia.
Nasci!
e por agora
estou rubro,
até no cinza
dos meus opacos
sentimentos…

castigo

Processed with VSCO with f2 preset

VEM CÁ
VEM PRA CÁ
Me engana
diz que me ama
Traz ÁGUA
pra molhar
a secura
da minha
terra estéril
Sem verde
Aduba meus
ouvidos
com sentidos
cheiros
odores
Quero flores
derramando
pétalas
no queixo
quadrado
deixando o
cheiro
vermelho
encarnado
de carinho
de vento fraco
assoprando
enquanto
caem
indecentes
textos
pra ouvir
Sou pura
mentira
Preciso
que a verdade
saia
de saia
rodada
arrancando
as pegadas
das ilusões
marcadas
com águas de mãe
A mãe foi só ela
As outras
putas
alegres
coloridas
donas
damas
do prazer
que nunca tive
porque
feri
a jura
de que
seria
somente
tua.

em desuso

tanque

 

 

 

 

 

 

 

 

Foi o tempo que me desgastou.
Já te recebi por aqui,
em mim molhado.
Com a calça suada,
com a blusa melada.
Já senti o sabor dos teus segredos.
O cheiro dos teus beijos já
escorreram pelas minhas águas
virgens e límpidas.
Molhei os restos do teu prazer,
misturei com sabão,
fiz espumas cremosas limparem
teus sonhos e as tuas decepções.
Te deixei alva e nova, recuperada,
pronta pra novas enxurradas.
Limpei como santa clara
os restos de tua carne usada,
revirada e remexida.
Apaguei os cheiros de teus sucos
derramados, as manchas de teu
prazer impregnado.
Desinfectei os odores que guardavas
escondido no fundo dos cestos
exalando os cheiros
das tuas noites de puro gozo.
Revigorei teus instantes,
requalifiquei teu semblante,
renovei teu sabor de agradável maciez.
Te deixei pronta,
para que te sentissem outra vez.
E eu, aqui e agora,
aberto e sozinho,
sentindo teu cheiro que o tempo
com seu desuso impregnou em mim.
Olho pra cima,
espero a água cair
pra escorrer as lembranças
pelo ralo.