Arquivo da tag: canon

eu

Processed with VSCO with b4 preset

Na solidão
me acho
Passo ao
meu lado
entre escuros
e claros
Me acho
brando
um tanto
desesperado
Ali
perto de mim
abandonado
Comigo
sozinho
passeiam
coisas:
pedra
pau
algodão
doce
Encontro
dentro
de mim
dejetos
restos
fragmentados
do que não
fiz
e quis fazer
do que
fiz
e não quis
fazer
Um emaranhado
teia
fecunda
de restos
mastigados

Foi o tempo
dos pensamentos
presos
freados
Impediu
arrastou
pisou em
desejos
elaborados
Retornados
na ausência
fecunda
dos pensamentos
reciclados
Acordei!
alvo e firme
me deixei
conformado.

meu tempo é hoje

poema_1

Os meus o tempo está levando,
eu, estou aqui pra ti,
tu, prosseguiras por um tempo
carregando dentro
os meus, eu e tu.
Passo o tempo limpando,
acabando com pensamentos,
dissolvendo benefícios plenos
arrumados pra desculpar.
Passo e arrumo o tempo,
que foge voando lento,
pelo meio dos lamentos,
interrompendo intentos,
derrubando elementos,
evaporando planos plenos.
Ele acena do alto que passa,
informa a todos que basta,
gasta nas horas, nos dias,
nas curvas e retornos
o espaço percorrido torto,
apaziguado pelos confortos.
Não fiques arrumando tudo,
um dia ele bastará, e sisudo,
te dirá que resolveu passar,
porque passa.
Te dirá que a vida cessou,
porque basta.
Te dirá que a dor acabou,
porque cessa.
Te dirá que o amor ficou,
porque presta.
Ainda que discutam seu espichamento,
propaguem seu estiramento,
ele cai sereno e lindo,
pequenino e luminoso,
riscado pela história de seu rastro,
firme e marcado.
Pra ti, meu amor, que digo
Para confirmar minha presença em ti,
na ausência de meu ar te sacudindo,
soprando em teus ouvidos o meu amor
oferecido.
Permanente contigo,
para sempre contigo.

catarse

Processed with VSCO with a6 preset

Em mim mora um outro,
alto, altaneiro, petulante,
perseguidor e intrometido,
ele sobrevoa minhas intenções
arrasta planos, destrói possibilidades.
Imita minha voz, se apodera do meu corpo
e me finge tão perfeitamente que até
a mim confunde.
Esse outro, escuso e disfarçado, empurra escadas,
desequilibra pretenções,
põe tudo no fogo, queima, faz brasa vermelha
incandescente
e logo vira cinza preta  voando pelo ar.
Eu cativo, entregue e paralisado me vejo pairar
sobre o que planejei, perco-me no ar, brando
e entregue ao que não sei.
Visito sonhos, apanho alguns que gostei,
torno a saborea-los, sinto suas intensidades,
e logo eles voam no ar e se perdem no tempo.
Vejo algum que prometi amor, aquele amor
que refresca as roupas com o suor da insegurança,
revivo seu corpo, passeio por ele tateando
sua textura macia, leve como a pena, daquela
leveza que só o amor bem sentido pode ter,
sinto o sabor da sua saliva doce como mel de flores,
e o cheiro de seu hálito quente, sinto até
o enrolar de sua lingua na minha procurando
cantos para se acomodar e impedir a vazão de palavras,
sim! as palavras tornam-se desnecessárias,
o amor precisa do olhar, da descrição dos detalhes
do rosto, da sensação tátil dos pêlos arrepiados,
da impressão na memória de sua cor, seu cheiro,
seu sabor.
logo, tudo voa como a cinza em direção a água.
Atropelo-me em pequenas cenas, relâmpagos
de recordações, flashs ligeiros de elementos
que vi mas não senti.
Encontro ferros elétricos de cabo vermelho,
ovo frito na água, cheiro de perfume de ervas,
flores azedas que se chupa, pintinho saindo do ovo,
amor incondicional, beijos de mãe.
De repente, tudo se esvai com vento forte
e as cinzas se espalham levando meus pedaços
para onde eu não sei, me vejo, entre tantos
perdido com os pedaços desarrumados,
espalhados por outros que nunca vi.
Eu lá parado, inerte, sem locomoção,
assistindo minhas partes assediadas,
sem ação, sem opinião, acordo
vejo que ele foi embora com os meus passos,
alto como veio, sem me salvar
sinto o aqui de novo
grande e demarcado pela crueza
do encontro com a realidade.
Eu quero ter lucidez para reconhecer
que algumas coisas é só sensação.

alegria

foto_59

De noite é sempre assim,
a alegria vem me visitar.
Ela sempre chega embriagada
de entusiasmo e excitação,
Hoje ela chegou com as palavras recolhidas,
tímida e silenciosa.
Sentou, cruzou as pernas,
respirou, me olhou profundamente
e começou a falar.
Me contou da fartura do mundo
e me disse que chora com cegueira de seus habitantes,
chora como criança pequena pelos
perdidos olhares que tropeçam para dentro
por não verem o azul que as coisas têm.
Chora pelos pensamentos que pingam no chão
gastos pela repetição do que já foi,
tirando as marcas do que poderia ser melhor.
Ela contou sobre a tristeza das extensões,
das necessidades de prolongamento,
daquilo que era para ser só lá,
naquela hora, e que mesmo assim, nunca basta.
Ela me disse sobre os bobos,
sobre os necessitados do barulho,
sobre os que não se encontram e que
buscam, pelas vias que passam,
vozes que lhe gritem pelo nome,
Ela chorou pelos perdidos olhares suplicantes
por serem notados
para que lhe digam que existem.
Tropeçou em cambaleantes embriagados
de chá e café amargo,
tragados num bar qualquer,
de uma rua aleatória,
onde buscavam dividir pensamentos,
só encontraram a dor de si
a apagada dor mal sentida,
escondida entre falsos sorrisos,
nos armários e gavetas da consciência,
à espreita de um verdugo que passe
e acesse esse material amassado
e velho.
A alegria chorou, porque ri
lhe feria o contentamento.

engano

foto_13

A vela tremia. Era o vento.
O homem ardia sedento do amor guardado.
Pensamentos soltos vagavam por cima,
viajando pelos misteriosos lugares do
enfraquecido desejo,
disperso pelas mesmas vias, secas e tortas
de antes,
dissipado, entre perdidas misturas,
no caos dos pensamentos soltos.
Alguns amorteciam a fadiga da vida,
faziam afirmações,
atestavam as conveniências.
Outros encontravam-se com pequenas cenas,
ferro elétrico passando saias,
batons vermelhos,
cheiro de perfume francês
misturado a fumaça do cigarro,
música fina, suave do radinho de pilha.
Esse homem existia por dentro,
possuía um mundo secreto
de pitadas de outras cenas,
pequenas e desprezadas cenas,
anunciando a existência de uma vastidão
encoberta pela mentira da vida.
Uma vida forjada, encapada por
marcas e impedimentos.
Ele agora ali, parado,
esperando um sonho para apanhar.
Esperava que uma rajada de vento,
empurrasse um sonho apenas,
aquele que lhe trouxesse o amor.
Aquele amor experimentado uma só vez,
aquele procurado nos cantinhos
dos descaminhos da vida,
os vasculhados pelas rotas,
os caídos e quebrados.
E nem passou uma semana ainda,
o desejo continua sentado,
na cadeira estofada,
cansado de acordos.

mãos esquecidas

foto_152

 

Eu chorei por ti,
cada gota do meu líquido íntimo
que pingava em tua intenção,
construiu minha reparação.
Fui lavado por dores refrigeradas
que de tão frias, anestesiaram
futuras recordações.
Elas ficaram adormecidas
inertes e guardadas
conservando sensações
que desisti de sentir.
Não sei dizer de ti
não lembro do teu rosto
não penso em teus toques
não escuto tua voz
nem da tua mão consigo saber.
Nem no mais secreto momento
de faxina de perseguições,
quando passo a limpo meu viver,
encontro teu resíduo.
És a representação oca
de um sentimento apagado
denunciado no esquecimento
nunca lembrado.
Sei que exististe apenas
pelo que me contam de ti.
Verdade! Me contam de ti,
do teu jeito de me pegar
da inflexão da tua voz
da tua forma debochada
de virar a cabeça.
Estiveste tanto em mim
que desapareceste
na mistura da minha realidade,
na minha possibilidade discreta
de indiferença.
Hoje não sei de ti
não sei se foste real
ou se foste um porco seguro
que eu enxerguei quando me afoguei.
Sei apenas que nada teu
ficou, apenas o território vazio
ocupado pela voz de outros
que dizem que exististe.
Nem mesmo a vontade,
tão traidora e profana,
nenhuma vontade
nenhuma
nenhuma
nada,
nada permaneceu
apenas o barulhinho do tempo
que me chocou em ti, longe,
e que se encarregou de te colocar
na boca dos que falam,
que me avisam,
que tu exististe no
inter-texto de um texto
que eu nunca mais li.